EX-ASSESSORA REVELA PAGAMENTO MENSAL DE R$4 MIL A JANAÍNA RIVA

Acabo de sair de uma audiência com essa songa-monga da Janaína Riva como vcs podem ver no post anterior,e sou presenteado com essa notícia.
Claro que não estou afirmando nada.....Só estou replicando a notícia

Em uma tensa audiência nesta manhã, 26, a ex-assessora da presidência da  Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Marisol Castro Sodré, afirmou que Janaina Riva (PSD) recebia a quantia de R$ 4 mil mensais (oriundos de verbas de suprimento) quando o pai dela, o então deputado José Geraldo Riva,  dirigia a "Casa de Leis" . Ao saber das declarações, a parlamentar afirmou que as informações são "absolutamente falsas".

À juíza da 7ª Vara Criminal, Selma Arruda, ela afirmou que durante dez anos (2005-2015) atuou na AL, e que nesse meio tempo, prestou serviços de digitalização e elaboração de memorandos ao setor financeiro do gabinete do então deputado José Riva. Em suas mãos passavam a lista de 'caixa' onde constavam a efetuação de uma série de pagamentos destinados à filha do parlamentar. O processo que tramita na Vara de Combate ao Crime Organizado apura o desvio de verbas de suprimentos da AL, que causou prejuízos da ordem de R$ 2,6 milhões, e contou com a 'troca de farpas' entre advogados de defesa e acusação. Para apaziguar os ânimos, por diversas vezes, a juíza Selma Arruda, foi obrigada a intervir.

O pagamento dos valores, segundo a declaração, eram efetuados em envelopes, entregue nas mãos de Janaína Riva. Mas explica que o recebimento era de momento anterior, onde o primeiro ex-marido de Janaina, Carlos Antônio Azoia (Nino), figurava como beneficiário mensal. Após a separação, em 2009, que Janaina teria começado a receber o dinheiro, explica a colaboradora. “Sempre quatro mil reais. Esse valor que ela pegava todo mês”, afirmou.

Ao ser indagada sobre sua participação no esquema e as implicações jurídicas, Marisol argumenta que não sabia da gravidade do esquema: "Foi uma situação em que eu fui totalmente colocada”, defendeu-se. 

Como era detentora de informações consideradas incriminadoras, ele foi orientada, segundo afirma, a destruir provas impressas que mantinha em casa. Em juízo afirmou que recebeu ordens da chefe de gabinete, Maria Helena Caramelo (presa desde o ano passado) para que executasse a destruição dos documentos, usando fogo para completar a ‘missão’. 

“Graças a Deus eu guardei parte”, declarou, "caso contrário não teríamos essas informações", completou o promotor Samuel Frungilo, que esteve junto, na audiência de hoje, de seu colega, o promotor Marcos Bulhões. As informações foram entregues ao Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e constam no processo. Entres os beneficiários (conforme antecipado pelo Olhar Jurídico) estão vereadores, assessores, colunistas sociais, restaurantes. 

Em nota, a deputada Janaina Riva afirmou que as declarações da colaboradora, prestadas em juízo, são complemente mentirosas e irá adotar as medidas jurídicas cabíveis.


Leia a integra da nota:
“Nunca, em qualquer circunstância, sequer se reuniu sozinha essa servidora. Mais ainda: nunca teve nenhum trato com ela e se recusou a é que não a aproveitá-la em sua equipe quando se elegeu deputada, a exemplo do que fez com alguns técnicos da equipe do seu pai. Segundo a deputada, essa acusação mentirosa soa como discurso orientado a fim de macular a sua imagem. "Cabe a quem acusa o ônus da prova. Quero ver ela provar que algum dia peguei um centavo sequer da Assembleia Legislativa. Nunca precisei disso, sempre tive os meus negócios", disse ela ao afirmar que já acionou inclusive seus advogados para que tomem as medidas cabíveis com relação a tais declarações”.

O advogado Rodrigo Mudrovisch anunciou que vai aciona-la civel e criminalmente. "É assustador o nível rasteiro desse acordo de delação. A acusação é mentirosa e irresponsável. Vamos, de imediato, propor medidas judiciais cíveis e criminais contra essa delatora. Não há qualquer envolvimento da Deputada nos fatos discutidos na operação Metástase
."

Entenda  o caso:

Conforme a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), o ex-parlamentar usava o dinheiro enviado ao seu gabinete para o pagamento de despesas pessoais, como o combustível de sua aeronave e honorários advocatícios, além de servir também para corromper políticos e lideranças do interior com um “mensalinho”.

A fraude ocorreu por meio de aquisições fictícias - de produtos como marmitas e materiais gráficos - feitas com a antiga verba. As notas fiscais utilizadas para justificar as compras eram falsificadas.


LINK:
http://www.olhardireto.com.br/juridico/noticias/exibir.asp?noticia=ex-assessora-revela-pagamento-mensal-de-r-4-mil-a-janaina-deputada-ve-armacao&id=31170


É ESTRANHO,JÁ QUE O PAI DELA TEM MAIS DE 100 PROCESSOS NAS COSTAS.
A MÃE JÁ FOI INVESTIGADA,ASSIM COMO O EX-MARIDO DELA JÁ FOI CONDENADO POR CRIMES.
EU SONHO COM UM DIA EM QUE INVESTIGASSEM A VIDA DELA PARA VER SE ELA TEM ALGUMA CULPA NO CARTÓRIO IGUAL O PAI,A MÃE E O EX-MARIDO DELA JA FORAM INVESTIGADOS E UNS CONDENADOS.
TEM QUE INVESTIGAR ESTE CASO,SE POSSÍVEL INSTAURAR MAIS UMA CPI PARA APURAR ESSA DENÚNCIA.

INVESTIGUEM A VIDA DESSA MULHER.........ELA POSA MUITO DE SANTA E CERTINHA.......
ME PROCESSOU APENAS POR UM VÍDEO QUE FIZ DELA.

SERÁ QUE A GAROTINHA MIMADA DO PAPAI RIVA TEM ALGUMA CULPA NO CARTÓRIO????????

ESPEREMOS.............